Translate

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

O TERÇO DAS SETE DORES DA VIRGEM MARIA.


O TERÇO DAS SETE DORES DA VIRGEM MARIA.

Início:
D- Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.
R- Amém!
D- Nós vos louvamos, Senhor, e vos bendizemos!
R- Porque associastes a Virgem Maria à obra da salvação.
D- Nós contemplamos vossas Dores, ó mãe de Deus!
R- E vos seguimos no caminho da fé!

Oração Inicial:
Virgem Dolorosíssima, seríamos ingratos se não nos esforçássemos em promover a memória e o culto de vossas Dores particulares graças para uma sincera penitência, oportunos auxílios e socorros em todas as necessidades e perigos. Alcançai-nos Senhora, de Vosso Divino Filho, pelos mérito de Vossas Dores e lágrimas, a graça...(pedir a graça)

1ª Dor - Profecia de Simeão
Simeão os abençoou e disse a Maria, sua mãe: Eis que este menino está destinado a ser ocasião de queda e elevação de muitos em Israel e sinal de contradição. Quanto a ti, uma espada te transpassará a alma (Lc 2,34-35).
1 Pai Nosso; 7 Ave Marias

2ª Dor - Fuga para o Egito
O anjo do Senhor apareceu em sonho a José e disse: Levanta, toma o menino e a mãe, foge para o Egito e fica lá até que te avise. Pois Herodes vai procurar o menino para matá-lo. Levantando-se, José tomou o menino e a mãe, e partiu para o Egito (Mt 2,13-14).
1 Pai Nosso; 7 Ave Marias

3ª Dor - Maria procura Jesus em Jerusalém
Acabados os dias da festa da Páscoa, quando voltaram, o menino Jesus ficou em Jerusalém, sem que os pais o percebessem. Pensando que estivesse na caravana, andaram o caminho de um dia e o procuraram entre parentes e conhecidos. E, não o achando, voltaram a Jerusalém à procura dele (Lc 2,43b-45).
1 Pai Nosso; 7 Ave Marias

4ª Dor - Jesus encontra a Sua Mãe no caminho do Calvário
Ao conduzir Jesus, lançaram mão de um certo Simão de Cirene, que vinha do campo, e o encarregaram de levar a cruz atrás de Jesus. Seguia-o grande multidão de povo e de mulheres que batiam no peito e o lamentavam (Lc 23,26-27).
1 Pai Nosso; 7 Ave Marias

5ª Dor - Maria ao pé da Cruz de Jesus
Junto à cruz de Jesus estavam de pé sua Mãe, a irmã de sua Mãe, Maria de Cléofas, e Maria Madalena. Vendo a Mãe e, perto dela, o discípulo a quem amava, disse Jesus para a mãe: Mulher, eis aí o teu filho! Depois disse para o discípulo: Eis aí a tua Mãe! (Jo 19,15-27a).
1 Pai Nosso; 7 Ave Marias

6ª Dor - Maria recebe Jesus descido da Cruz
Chegada a tarde, porque era o dia da Preparação, isto é, a véspera de sábado, veio José de Arimatéia, entrou decidido na casa de Pilatos e pediu o corpo de Jesus. Pilatos, então, deu o cadáver a José, que retirou o corpo da cruz (Mc 15,42)
1 Pai Nosso; 7 Ave Marias

7ª Dor - Maria deposita Jesus no Sepulcro
Os discípulos tiraram o corpo de Jesus e envolveram em faixas de linho com aromas, conforme é o costume de sepultar dos judeus. Havia perto do local, onde fora crucificado, um jardim, e no jardim um sepulcro novo onde ninguém ainda fora depositado. Foi ali que puseram Jesus (Jo 19,40-42a).
1 Pai Nosso; 7 Ave Marias


domingo, 21 de agosto de 2016

Tell me who praises you and this will tell me who you are: Fr. Fortea on Bishop Fellay


Translated from Non Possumus by Br. Raymond of Pennafort, T.O.P.

Father Fortea (note the lack of manliness in this photo which the priest himself published).


"There is no doubt that Fellay is much smarter than Archbishop Lefebvre. Intellectually, there is no comparison between the two."

The new admirer of Bishop Fellay is Fr. Fortea a well-known "Exorcist" and Spanish "charismatic", who made the following statement in 2012 about theSSPX:

(...) "Speaking of the followers of Archbishop Marcel Lefevre, an excommunicated archbishop, that’s why I was surprised when I heard some writers, (I do not think they know the followers of Archbishop Lefebvre personally), stating that they have so much to offer to the Church. I do not know what they can offer to the Church, but I know the message they bring into the world. 
"The most beautiful compliment to my best-known theological work, Summa Daemoniaca, was received from the hand of the Lefevrist critics. It deals with praise that, for many years, I kept in my little heart as the most charming compliment I had ever received. I was told that it continued to be forbidden to read my book because in it there was an exceedingly merciful vision of God and an overly optimistic focus on Salvation. Since then, I have had contact many times with faithful and priests of the Society, those who seek a monarchical Church, uniform and similar to the structure of an army. 
"They do not bring the Holy Tradition of the Church but the tradition understood under personal nineteenth century inflexibility. They do not bring rigor but rigidness.They do not bring obedience to the canons of orthodoxy but disobedience to the canons under the guise of orthodoxy. They do not bring the beauty of the liturgy but the pride of the non serviam. 
"Their spirit is not the full-scale, free and friendly patristic heritage but the punctilious spirit of self-righteousness mixed with the message of Christ.
"But they will return, and we will welcome them. And we will welcome them with the generosity that the great Second Vatican Council taught us. To those who speak out in favor of an absolute authority in the concept of a steel fist, when they return, they will be shown the  kind-hearted authority taught to us by the Holy Spirit in the time of John XXIII and Paul VI. 
"Yes, they will return. And they will return because deep down they know that it is not rubrics and mandates that save. You can love whatever you want to: the rubrics, the priestly vestments, the surplices and incense in a silver thurible, but on condition that you know that those things are not what saves you. The way that Jesus taught us is reflected in tradition, not in traditionalism. It is not the ritual of St. Pius V nor the Novus Ordo that save us; it is God's mercy.
"They know this in the very depths of their souls, and they hear in their hearts a Divine Voice warning them deep within your consciousness. Buddhists and Muslims will be above them in the Kingdom of Heaven."


Regarding Francis:

"Declarations of Pope Francis 
"I have received a number of emails in recent months, asking me on a personal level what I think of such-and-such statement from Pope Francis. 
"In some of these emails, I sense some concern. Some have the vague feeling of fear to say that what is white is black. 
"Stay calm! We have a visible shepherd on earth, and God wants us to obey our supreme legitimate shepherd: the Pope. 
"In this game of chess that is the Faith, the rules are clear. And the Pope can move the pieces at will. So long as he moves according to the the rules, he has all the freedom in the world to make the moves that he so desires. 
"What if the Pope makes a move that is not allowed? Then are we wrong to think that this move was not allowed. (sic) 
"We must listen to the Pope not to confirm our own positions but to learn. In the Church there are only pastors, those who have received such a position from above through the Church. The figure of the spontaneous-lay-inquisitor does not appear in the Epistles of St. Paul."
And now what is happening is that Fr. Fortea is praising Bishop Fellay (bold enphasis is ours):

"Reflecting on Bishop Fellay

"Several websites echoed statements made by Monsignor Pozzo about Bishop Fellay having accepted the solution to integrate with his priests and faithful into a personal prelature in the Catholic Church. 
"The news as given (short interview responses) continues without clarifying much about the future. It can be understood as a request for imminent entry, or it can be understood as if they would be integrated under the canonical construct. 
"I think the optimistic option is the most likely sequence of events. Just read the letter from Father Schmidberger, seminary rector of Society's German seminary, to realize that each time it becomes the increasingly more reasonable choice among the most sensible among those of the SSPX. 
"I will wholeheartedly rejoice when they come back into communion with the Church. It will be to live through the return of the prodigal son to his home. 600 schismatic priests entering in the bosom of the Church. 
"Maintaining cohesion in this unstable magma of faithful and priests has been an epic work of its superiors. That priestly fraternity has always been a volatile chemical compound with an apparently explosive trend. Like a clumped mass of cells, it has always been on the verge suffering four or five simultaneous mutations. 
"When the SSPX claimed they wanted to follow orthodoxy, one wondered which orthodoxy. The orthodoxy of Archbishop Lefebvre that signed all the of the Vatican II documents? The orthodoxy of the schism within the schism that Williamson embodied? The orthodoxy of the legion of avid listening sedevacantists of countless pseudo-revelations? Of course the superiors of the Society do not follow the unserious branches of the forefathers of the SSPX: the ravings of thuc bishops (who were a bit like the crazy grandmother of the fefevrists), nor that of the Old Catholics bishops, who were the other traditionalist branch that ended up turning into modernism. 
"That's why the issue of orthodoxy ad internum was so indisputable as a touchy subject. We follow orthodoxy. Yes. Yes. The question was what orthodoxy. It was no longer the sound orthodoxy of the choir of the Church but the orthodoxy of one or another tenor; the lyrics were clear, "more or less". The problem was the music that accompanied the lyrics. 
"Fellay has undoubtedly had an intellectual evolution, perhaps even a spiritual one. He has spent years watching with clairvoyance that left to its own devices (without being grafted back into the Church) Lefebvrism his gone down the road to becoming a variant of the Palmariana church. In fact, his great struggles of the past several years have not been with Rome but with his own members trying to keep the boat in the Lefebvrian region of reasonable waters. And that has been very difficult. Nobody denies merit to Fellay. 
"Another positive aspect is that there is no doubt that Fellay is much smarter than Archbsihop Lefebvre. Intellectually, there is no comparison between the two.
In any case, it is quite possible that we are approaching the happy news that this sad episode of division is entering its final stretch. And that has pleased me deeply; deeply and sincerely."


domingo, 14 de agosto de 2016

Ladainha ao Imaculado Coração de Maria



Senhor, tende piedade de nós

Cristo, tende piedade de nós

Senhor, tende piedade de nós

Cristo, olhai-nos.

Cristo, escutai-nos

Deus Pai celestial,

Tem misericórdia de nós.

Deus Filho Redentor do mundo,

Tem misericórdia de nós.

Deus Espírito Santo,

Tem misericórdia de nós.

Santa Trindade, um só Deus,

Tem misericórdia de nós.

Santa Maria, Coração Imaculado de Maria,rogai por nós

Coração de Maria, cheio de graça, rogai por nós

Coração de Maria, vaso do amor mais puro, rogai por nós

Coração de Maria, consagrado íntegro a Deus,rogai por nós

Coração de Maria, preservado de todo pecado,rogai por nós

Coração de Maria, morada da Santíssima Trindade, rogai por nós

Coração de Maria, delícia do Pai na Criação, rogai por nós

Coração de Maria, instrumento do Filho na Redenção, rogai por nós

Coração de Maria, a esposa do Espírito Santo, rogai por nós

Coração de Maria, abismo e prodígio de humildade, rogai por nós

Coração de Maria, medianeiro de todas as graças, rogai por nós

Coração de Maria, batendo em uníssono com o Coração de Jesus, rogai por nós

Coração de Maria, gozando sempre da visão beatífica, rogai por nós

Coração de Maria, holocausto do amor divino, rogai por nós

Coração de Maria, advogado ante a justiça divina, rogai por nós

Coração de Maria, transpassado por uma espada, rogai por nós

Coração de Maria, Coroado de espinhos por nossos pecados, rogai por nós

Coração de Maria, agonizando na paixão de teu Filho, rogai por nós

Coração de Maria, exultando na Ressurreição de teu Filho, rogai por nós

Coração de Maria, triunfando eternamente com Jesus, rogai por nós

Coração de Maria, fortaleza dos cristãos, rogai por nós

Coração de Maria, refúgio dos perseguidos, rogai por nós

Coração de Maria, esperança dos pecadores, rogai por nós

Coração de Maria, consolo dos moribundos, rogai por nós

Coração de Maria, alívio dos que sofrem, rogai por nós

Coração de Maria, laço de união com Cristo, rogai por nós

Coração de Maria, caminho seguro ao Céu, rogai por nós

Coração de Maria, prenda de paz e santidade, rogai por nós

Coração de Maria, vencedora das heresias, rogai por nós

Coração de Maria, da Rainha dos Céus e Terra, rogai por nós

Coração de Maria, da Mãe de Deus e da Igreja, rogai por nós

Coração de Maria, que por fim triunfarás, rogai por nós

Cordeiro de Deus que tiras o pecado do mundo,

Perdoai-nos Senhor

Cordeiro de Deus que tiras o pecado do mundo,

Escutai-nos Senhor

Cordeiro de Deus que tiras o pecado do mundo,

Tem misericórdia de nós.

V. Rogai por nós Santa Mãe de Deus

R. Para que sejamos dignos de alcançar as promessas de Nosso Senhor Jesus Cristo

Oremos

Vós que nos tens preparado no Coração Imaculado de Maria uma digna morada de teu Filho Jesus Cristo, concedei-nos a graça de viver sempre conforme a sua vontade e de cumprir seus desejos.

Por Cristo teu Filho, Nosso Senhor. Amém


quarta-feira, 3 de agosto de 2016

NOVENA A SÃO DOMINGOS – 9.º DIA – 3 DE AGOSTO: AMOR AOS SEUS FILHOS

NOVENA A SÃO DOMINGOS – 9.º DIA – 3 DE AGOSTO: AMOR AOS SEUS FILHOS




* Nossa Senhora e o Menino, São Domingos e Santo Tomás, de Fra Angelico.



ORAÇÕES PARA ANTES DA LEITURA





Vinde, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do vosso amor.



V. Enviai, Senhor, o vosso Espírito e tudo será criado.



R. E renovareis a face da terra.



Oremos: Ó Deus, que instruístes os corações dos vossos fiéis com as luzes do Espírito Santo, fazei que nos regulemos pelo mesmo Espírito e gozemos sempre das suas consolações. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.



R. Amém.



Dulcíssimo Pai S. Domingos, tende compaixão dos aflitos, dos pobres peregrinos e desterrados do Céu, não desprezeis as nossas humildes súplicas, mas livrai-nos de todos os perigos e, pelas vossas santas orações, transportai-nos para o Reino da segurança e da paz.



V. Bom Jesus, pela oração de Domingos,



R. fazei que nos tornemos agradáveis a vossos olhos.



Oremos: Concedei-nos, Deus Onipotente, Vos pedimos, que os exemplos do glorioso Patriarca S. Domingos nos levem a uma vida melhor, a fim de que, honrando a sua memória, imitemos também as suas virtudes. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.



R. Amém.





LEITURA

NONO DIA



AMOR DE S. DOMINGOS AOS SEUS FILHOS





S. Domingos amava a todos e de todos era amado, exceto dos inimigos da Igreja; mesmo para estes, porém, tinha palavras fraternas e exortações caridosas. Mostrava-se sempre amável, simples e alegre: “Ninguém mais afável, ninguém mais jovial. O seu rosto brilhava com uma luz doce e amável, e nada perturbava a tranquilidade da sua alma; mas comovia-se perante a miséria do próximo”, no dizer do Beato Jordão.



Não chegou ele a vender os manuscritos, os livros e tudo o que tinha, quando ainda estudante em Palência, para socorrer os pobres famintos?! “Não quero – dizia ele – estudar em peles mortas, quando há homens que morrem de fome”. Uma outra vez chegou a oferecer-se para ser vendido, a fim de libertar um homem cuja extrema pobreza era o obstáculo principal à sua saída do cativeiro.



Estimava e amava todas as Ordens religiosas e queria que seus filhos partilhassem essa estima e amor. Mas era bom particularmente para com os seus filhos.



Nas tentações e aflições não havia melhor consolador. Cheio de solicitude, interrompia, de noite, as suas orações e ia ver se os irmãos descansavam bem. Nas viagens era severo para consigo, mas dispensava facilmente os outros. Sóbrio para si, queria que os outros fossem abundantemente servidos. Os hábitos que lhe davam distribuía-os pelos irmãos.



Quando via algum irmão cometer uma falta, não lhe poupava o castigo, mas afligia-se por se ver obrigado a castigar, e fazia-o com palavras e maneiras tão suaves e tão humildes que todos se retiravam consolados.



Quantas vezes não fez o Senhor milagres, a pedido de Domingos, para vir em auxílio de seus filhos, quer no espiritual, quer no temporal. Por duas vezes faltou o pão no refeitório, mas apareceram dois belos jovens, que colocaram diante de cada religioso um pão e figos.



Uma noite, um anjo guiou S. Domingos através das ruas de Roma, desde S. Xisto até Santa Sabina, para impedir um noviço de fugir do convento.



Bastava, muitas vezes, fazer apelo ao seu coração compassivo para que S. Domingos, apesar da sua grande humildade, pedisse a Deus um milagre.



Dispersava, semeava, por assim dizer, os irmãos pela Europa, não obstante o conselho contrário de pessoas ilustres e amigas, para fundar conventos; enviava outros a pregar, embora pouco dotados, dizendo-lhes: “Ide com confiança porque o Senhor vos inspirará o que haveis de dizer”. E tudo lhes corria bem, porque Domingos os acompanhava com as suas orações.



Na sua última doença, chamou para junto de si os noviços. Consolou-os e exortou-os ao bem com palavras doces e amáveis e rosto sorridente.



Durante a sua agonia, alguém lhe diz: “Pai, sabeis em que desolação nos deixais; lembrai-vos de nós e orai por nós junto do Senhor”.



Então ele, levantando os olhos ao céu, orou: “Pai santo, Vós sabeis como me tenho aplicado a fazer a vossa vontade, e aqueles que me destes Eu os guardei e conservei. Eu vo-los confio, por minha vez. Conservai-os e guardai-os”.



Como alguns religiosos insistissem, ele declarou-lhes: “Ser-vos-ei mais útil e vos ajudarei mais eficazmente após a minha morte do que durante a vida”. E, com efeito, os seus filhos têm, durante os séculos, sentido a realização da sua promessa. S. Domingos, numa conversa confidencial com um religioso da Ordem de Cister, disse-lhe: “Confesso-vos que nunca, em toda a minha vida, pedi alguma coisa a Deus que Ele me recusasse”.



Tenhamos confiança no Santo Patriarca. Ele foi um grande servo de Deus e, por conseguinte, goza de grande poder de intercessão. Junto de Jesus e Maria ele segue todos os passos da nossa vida e, como é bom pai, está pronto a interceder sempre por nós.



Sejamos dignos dele, procurando imitá-lo e reproduzi-lo na nossa vida, para merecermos, um dia, ser colocados debaixo do manto de Maria.





ORAÇÃO PARA DEPOIS DA LEITURA



Louvado seja o nosso Redentor, que, querendo salvar todos os homens, deu ao mundo S. Domingos de Gusmão.



V. Coração de Jesus, abrasado de amor por nós.



R. Abrasai o nosso coração de amor por Vós.



Oremos: Senhor Jesus Cristo, que dissestes: pedi e recebereis, procurai e achareis, batei e abrir-se-vos-á, nós Vos pedimos, pelos méritos do vosso fiel servo Domingos e de vossa Mãe Santíssima, protetora e advogada da Ordem, e pela bondade inesgotável do vosso Coração, nos concedais as graças que humildemente Vos pedimos nesta novena, para que, seguindo fielmente os vestígios do nosso glorioso Patriarca S. Domingos, possamos com ele louvar-Vos e glorificar-Vos por toda a eternidade.



R. Amém.





RESPONSÓRIO DO PATRIARCA S. DOMINGOS





R. Oh admirável esperança, que destes aos que na hora da vossa morte choravam a vossa ausência, prometendo-lhes que, depois dela, havíeis de ser-lhe mais útil! Cumpri, ó Pai, o que prometestes, ajudando-nos com os vossos rogos.



V. Vós que resplandecestes com tantos milagres nos corpos dos enfermos, trazei-nos o socorro de Cristo, curai-nos da perversidade e corrupção dos costumes.



R. Cumpri, ó Pai, o que prometestes, ajudando-nos com os vossos rogos.



V. Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.



R. Cumpri, ó Pai, o que prometestes, ajudando-nos com os vossos rogos.



V. Rogai por nós, Bem-aventurado Pai S. Domingos.



R. Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.



Oremos: Ó Deus, que Vos dignastes iluminar a santa Igreja com os merecimentos e a doutrina do Bem-aventurado Domingos, vosso confessor e nosso Patriarca, concedei-nos, por sua intercessão, a graça de sermos socorridos nas necessidades temporais e de crescermos sempre mais nos bens espirituais. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.



R. Amém.







Fonte: Novena a S. Domingos. Vários autores. 2. ed. actualizada. Editorial Apostolado do Rosário: Fátima (Portugal), 2006.

terça-feira, 2 de agosto de 2016

NOVENA A SÃO DOMINGOS – 8.º DIA – 2 DE AGOSTO: DEVOÇÃO A MARIA

NOVENA A SÃO DOMINGOS – 8.º DIA – 2 DE AGOSTO: DEVOÇÃO A MARIA






ORAÇÕES PARA ANTES DA LEITURA





Vinde, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do vosso amor.



V. Enviai, Senhor, o vosso Espírito e tudo será criado.



R. E renovareis a face da terra.



Oremos: Ó Deus, que instruístes os corações dos vossos fiéis com as luzes do Espírito Santo, fazei que nos regulemos pelo mesmo Espírito e gozemos sempre das suas consolações. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.



R. Amém.



Dulcíssimo Pai S. Domingos, tende compaixão dos aflitos, dos pobres peregrinos e desterrados do Céu, não desprezeis as nossas humildes súplicas, mas livrai-nos de todos os perigos e, pelas vossas santas orações, transportai-nos para o Reino da segurança e da paz.



V. Bom Jesus, pela oração de Domingos,



R. fazei que nos tornemos agradáveis a vossos olhos.



Oremos: Concedei-nos, Deus Onipotente, Vos pedimos, que os exemplos do glorioso Patriarca S. Domingos nos levem a uma vida melhor, a fim de que, honrando a sua memória, imitemos também as suas virtudes. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.



R. Amém.





LEITURA

OITAVO DIA



DEVOÇÃO DE S. DOMINGOS A MARIA





A devoção a Maria, Mãe de Jesus, faz necessariamente parte da vida cristã. Não há santo algum que não lhe tenha rendido fervoroso culto. Porém, alguns distinguem-se pela sua singular piedade filial para com a Rainha dos Céus; S. Domingos é um deles.



Contam as antigas crônicas que, ainda antes da Ordem existir, já fora revelado a almas piedosas que a Santíssima Virgem pedira a sua fundação a seu divino Filho.



E S. Domingos viu em Roma, numa visão extática, que Nosso Senhor, desagradado com o mundo, queria destruí-lo; mas a Virgem piedosa, de joelhos, apresentava-Lhe dois dos seus servos, Domingos e Francisco, para o regenerar, e que, então, Jesus se deixou aplacar.



S. Domingos e a sua Ordem existiram graças às orações e intercessão da Santíssima Virgem. Nos Diálogos de Santa Catarina, lê-se que o Pai Eterno lhe diz: “Domingos foi uma luz que dei ao mundo por intermédio de Maria: foi Ela que lhe deu o hábito, foi a Ela que a minha bondade confiou esse encargo”. Com efeito, quanto S. Domingos pedia a cura do Beato Reginaldo, que se encontrava doente, Nossa Senhora apareceu a este, curou-o e deu-lhe o escapulário, a parte principal do hábito dominicano. Como Ela velava pela Ordem, à qual chamava a “Sua Ordem”!



Quem não recordará, com ternura, aquelas noites em que S. Domingos, estando em oração, via Nossa Senhora, acompanhada de duas santas, ir pelo dormitório a abençoar os irmãos enquanto dormiam!



O Beato Jordão, sucessor imediato de S. Domingos no governo da Ordem, e que, para alcançar a proteção da Rainha dos Anjos, introduziu o canto da Salve Rainha depois das Completas, conta que muitas vezes a Santíssima Virgem, ao ouvir cantar “Eia, pois, advogada nossa”, se prostrava diante do seu Filho e orava pela conservação da Ordem.



Uma vez, estando S. Domingos em oração, viu, em volta de Nosso Senhor e de sua Mãe, religiosos de todas as Ordens, exceto da sua. Começou a chorar amargamente e o Senhor perguntou-lhe por que chorava e se queria ver os seus religiosos. Colocou, então, a mão no ombro de Nossa Senhora e disse a S. Domingos: “Confiei a tua Ordem à minha Mãe”. Nossa Senhora abriu o seu manto azul, que parecia cobrir o Céu, e deixou ver uma grande multidão de filhos do Santo Patriarca.



Sabemos que S. Domingos dedicou o seu primeiro mosteiro a Nossa Senhora de Prouille e, segundo uma tradição, pregava frequentemente sobre Nossa Senhora. Não atribuem a tradição e os Papas a S. Domingos a origem do Rosário, rainha das devoções a Maria, a sua oração predileta, como Ela mostrou, tanto em Lourdes como em Fátima?!



O Rosário é uma maneira, ao mesmo tempo simples e profunda, de louvar a Maria, adequada tanto às pessoas pouco cultas como aos grandes sábios.



O Rosário bastava para imortalizar S. Domingos e poder afirmar-se que ele foi um dos maiores devotos da Santíssima Virgem.



A tradição confirma que por meio do Rosário se converteram muitos pecadores e hereges até ali endurecidos e surdos à pregação do Santo, e a liturgia canta que foi graças à proteção materna de Maria que S. Domingos conquistou para Cristo inúmeras almas.



Na hora da morte, lá estava Ela para o levar para o Céu. No momento em que o Santo Patriarca morria, um dos seus filhos ausentes, o Beato Guala, viu o Céu aberto, de onde pendiam duas escadas brancas, pelas quais os anjos subiam e desciam. Em baixo, e entre as duas escadas, estava sentado S. Domingos; no cimo, a Virgem e seu bendito Filho, segurando cada um a sua escada, foram-nas puxando até introduzirem o autor do Rosário na glória eterna.



Não podemos ser devotos e filhos de S. Domingos se não formos devotíssimos da Santíssima Virgem. Amemo-la, pois, como filhos, veneremo-La com o santo Rosário, como S. Domingos, e assim mereceremos com ele viver e louvar eternamente a Jesus, sob o manto da Sua bendita Mãe.





ORAÇÃO PARA DEPOIS DA LEITURA



Louvado seja o nosso Redentor, que, querendo salvar todos os homens, deu ao mundo S. Domingos de Gusmão.



V. Coração de Jesus, abrasado de amor por nós.



R. Abrasai o nosso coração de amor por Vós.



Oremos: Senhor Jesus Cristo, que dissestes: pedi e recebereis, procurai e achareis, batei e abrir-se-vos-á, nós Vos pedimos, pelos méritos do vosso fiel servo Domingos e de vossa Mãe Santíssima, protetora e advogada da Ordem, e pela bondade inesgotável do vosso Coração, nos concedais as graças que humildemente Vos pedimos nesta novena, para que, seguindo fielmente os vestígios do nosso glorioso Patriarca S. Domingos, possamos com ele louvar-Vos e glorificar-Vos por toda a eternidade.



R. Amém.





RESPONSÓRIO DO PATRIARCA S. DOMINGOS





R. Oh admirável esperança, que destes aos que na hora da vossa morte choravam a vossa ausência, prometendo-lhes que, depois dela, havíeis de ser-lhe mais útil! Cumpri, ó Pai, o que prometestes, ajudando-nos com os vossos rogos.



V. Vós que resplandecestes com tantos milagres nos corpos dos enfermos, trazei-nos o socorro de Cristo, curai-nos da perversidade e corrupção dos costumes.



R. Cumpri, ó Pai, o que prometestes, ajudando-nos com os vossos rogos.



V. Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.



R. Cumpri, ó Pai, o que prometestes, ajudando-nos com os vossos rogos.



V. Rogai por nós, Bem-aventurado Pai S. Domingos.



R. Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.



Oremos: Ó Deus, que Vos dignastes iluminar a santa Igreja com os merecimentos e a doutrina do Bem-aventurado Domingos, vosso confessor e nosso Patriarca, concedei-nos, por sua intercessão, a graça de sermos socorridos nas necessidades temporais e de crescermos sempre mais nos bens espirituais. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.



R. Amém.







Fonte: Novena a S. Domingos. Vários autores. 2. ed. actualizada. Editorial Apostolado do Rosário: Fátima (Portugal), 2006.

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

NOVENA A SÃO DOMINGOS – 7.º DIA – 1 DE AGOSTO: AMOR A DEUS


*"São Domingos adorando a Crucificação", de Fra Angelico, beato dominicano.




ORAÇÕES PARA ANTES DA LEITURA





Vinde, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do vosso amor.



V. Enviai, Senhor, o vosso Espírito e tudo será criado.



R. E renovareis a face da terra.



Oremos: Ó Deus, que instruístes os corações dos vossos fiéis com as luzes do Espírito Santo, fazei que nos regulemos pelo mesmo Espírito e gozemos sempre das suas consolações. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.



R. Amém.



Dulcíssimo Pai S. Domingos, tende compaixão dos aflitos, dos pobres peregrinos e desterrados do Céu, não desprezeis as nossas humildes súplicas, mas livrai-nos de todos os perigos e, pelas vossas santas orações, transportai-nos para o Reino da segurança e da paz.



V. Bom Jesus, pela oração de Domingos,



R. fazei que nos tornemos agradáveis a vossos olhos.



Oremos: Concedei-nos, Deus Onipotente, Vos pedimos, que os exemplos do glorioso Patriarca S. Domingos nos levem a uma vida melhor, a fim de que, honrando a sua memória, imitemos também as suas virtudes. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.



R. Amém.





LEITURA

SÉTIMO DIA



AMOR DE S. DOMINGOS A DEUS





O amor das almas vai sempre com o amor de Deus ou, antes, procede dele como um rio de uma nascente. Ao considerar o que o Salvador fizera e sofrera para resgatar os homens, S. Domingos sentia-se movido a imolar-se por eles.



O amor de Deus penetrou a sua alma e, com todas as suas forças, procurava seguir as pegadas de Jesus. Por isso, passava longas horas diante do tabernáculo a falar com o celeste Amigo. E, mesmo quando tratava com os homens, só queria falar “com Deus ou de Deus”, afirmam quantos com ele viveram. Falava de Deus aos homens, tratava dos homens com Deus.



Em viagem, dizia muitas vezes aos seus companheiros: “Ide à frente e pensemos no nosso Salvador”. Era esse grande amor a Jesus que o levava a querer imitá-l’O nos opróbrios e nos sofrimentos. Quantas vezes lhe ouviam exprimir o desejo de ser esquartejado por amor de Jesus Cristo.



Para nos convencermos da sua semelhança com Jesus, ouçamos Santa Catarina de Sena. Na tarde do dia 4 de agosto de 1371, teve esta santa uma visão: apareceu-lhe o Todo-Poderoso sob forma humana. Da sua boca saía o Verbo Eterno feito homem, e do seu peito saía Domingos, todo brilhante: “Minha filha – dizia-lhe o Eterno Pai –, eu gerei estes dois filhos: um por natureza e o outro por doce adoção”.



Como ela se admirasse ao ver um santo comparado a Jesus Cristo, Deus Pai disse-lhe: “Quando o meu Filho, gerado por natureza, revestiu a forma humana obedeceu-me até à morte. Domingos, meu filho de adoção, seguiu a minha vontade em todas as coisas, desde o seu nascimento até ao último instante da sua vida. Nunca transgrediu um só dos meus mandamentos; nunca violou a virgindade da sua alma nem do seu corpo. Conservou sempre a graça do batismo que o regenerara.



Meu filho por natureza, o Verbo Eterno, pregou publicamente ao mundo o que eu lhe encarregara. Como Ele mesmo disse a Pilatos, deu testemunho da verdade. Também meu filho adotivo, Domingos, pregou ao mundo a verdade das minhas palavras; falou aos hereges e aos católicos. A sua pregação continua e continuará sempre através dos seus filhos.



Assim como o meu Filho por natureza dispersou os seus discípulos pelo mundo, meu filho por adoção dispersou os seus irmãos. Meu filho por natureza é o meu Verbo; meu filho por adoção é o arauto, o ministro do meu Verbo; por isso, lhe dei a ele e à sua Ordem a inteligência das minhas palavras e a fidelidade à minha vontade.



Meu Filho por natureza fez tudo para resgatar as almas; salvar os homens pela sua Ordem foi o principal objetivo de Domingos; Eu o comparo, pois, a meu Filho por natureza, com cuja vida Domingos conformou a sua. Tu vês que até no seu corpo se assemelhou ao corpo sagrado de Jesus Cristo”.



A visão terminou. Tocavam para Vésperas, e Catarina perguntou ao seu confessor: “Não avistais Domingos na glória? Eu vejo-o como vos vejo a vós; está-me até mais presente do que vós. Como Jesus Cristo, ele tem o rosto oval, a fisionomia séria mas doce, a barba e os cabelos ruivos”.



Peçamos a S. Domingos que nos comunique uma centelha do fogo divino que abrasava o seu coração, e que, pouco a pouco, nos vá transformando e tornando mais semelhante a Jesus.



Deve ser este o nosso ideal, visto ser o fim para que fomos criados.





ORAÇÃO PARA DEPOIS DA LEITURA



Louvado seja o nosso Redentor, que, querendo salvar todos os homens, deu ao mundo S. Domingos de Gusmão.



V. Coração de Jesus, abrasado de amor por nós.



R. Abrasai o nosso coração de amor por Vós.



Oremos: Senhor Jesus Cristo, que dissestes: pedi e recebereis, procurai e achareis, batei e abrir-se-vos-á, nós Vos pedimos, pelos méritos do vosso fiel servo Domingos e de vossa Mãe Santíssima, protetora e advogada da Ordem, e pela bondade inesgotável do vosso Coração, nos concedais as graças que humildemente Vos pedimos nesta novena, para que, seguindo fielmente os vestígios do nosso glorioso Patriarca S. Domingos, possamos com ele louvar-Vos e glorificar-Vos por toda a eternidade.



R. Amém.





RESPONSÓRIO DO PATRIARCA S. DOMINGOS





R. Oh admirável esperança, que destes aos que na hora da vossa morte choravam a vossa ausência, prometendo-lhes que, depois dela, havíeis de ser-lhe mais útil! Cumpri, ó Pai, o que prometestes, ajudando-nos com os vossos rogos.



V. Vós que resplandecestes com tantos milagres nos corpos dos enfermos, trazei-nos o socorro de Cristo, curai-nos da perversidade e corrupção dos costumes.



R. Cumpri, ó Pai, o que prometestes, ajudando-nos com os vossos rogos.



V. Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.



R. Cumpri, ó Pai, o que prometestes, ajudando-nos com os vossos rogos.



V. Rogai por nós, Bem-aventurado Pai S. Domingos.



R. Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.



Oremos: Ó Deus, que Vos dignastes iluminar a santa Igreja com os merecimentos e a doutrina do Bem-aventurado Domingos, vosso confessor e nosso Patriarca, concedei-nos, por sua intercessão, a graça de sermos socorridos nas necessidades temporais e de crescermos sempre mais nos bens espirituais. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.



R. Amém.







Fonte: Novena a S. Domingos. Vários autores. 2. ed. actualizada. Editorial Apostolado do Rosário: Fátima (Portugal), 2006.

domingo, 31 de julho de 2016

NOVENA A SÃO DOMINGOS – 6.º DIA – 31 DE JULHO: ZELO DAS ALMAS

NOVENA A SÃO DOMINGOS – 6.º DIA – 31 DE JULHO: ZELO DAS ALMAS




* Observe-se o quadro de Caravaggio: Nossa Senhora aponta o Rosário pendente das mãos de São Domingos, a quem as pessoas acorrem implorando auxílio.



ORAÇÕES PARA ANTES DA LEITURA





Vinde, Espírito Santo, enchei os corações dos vossos fiéis e acendei neles o fogo do vosso amor.



V. Enviai, Senhor, o vosso Espírito e tudo será criado.



R. E renovareis a face da terra.



Oremos: Ó Deus, que instruístes os corações dos vossos fiéis com as luzes do Espírito Santo, fazei que nos regulemos pelo mesmo Espírito e gozemos sempre das suas consolações. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.



R. Amém.



Dulcíssimo Pai S. Domingos, tende compaixão dos aflitos, dos pobres peregrinos e desterrados do Céu, não desprezeis as nossas humildes súplicas, mas livrai-nos de todos os perigos e, pelas vossas santas orações, transportai-nos para o Reino da segurança e da paz.



V. Bom Jesus, pela oração de Domingos,



R. fazei que nos tornemos agradáveis a vossos olhos.



Oremos: Concedei-nos, Deus Onipotente, Vos pedimos, que os exemplos do glorioso Patriarca S. Domingos nos levem a uma vida melhor, a fim de que, honrando a sua memória, imitemos também as suas virtudes. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que é Deus convosco na unidade do Espírito Santo.



R. Amém.





LEITURA

SEXTO DIA



S. DOMINGOS E O ZELO DAS ALMAS





São Domingos amou a verdade porque no seu coração morava um outro amor mais forte: o amor das almas. Queria possuir a ciência, como um auxílio para iluminar os espíritos e conduzi-los ao doce jugo de Cristo.



São Domingos foi, sem dúvida, um dos maiores apóstolos que Deus enviou à sua Igreja. “Uma coisa, acima de tudo – diz o Beato Jordão –, pedia ele diariamente a Deus: que lhe desse uma verdadeira caridade, um amor eficaz da salvação dos homens, persuadido de que não seria verdadeiro membro de Cristo se não se consagrasse sem reserva, segundo as suas forças, a conquistar almas, a exemplo do divino Salvador de todos, que Se imolou sem reserva para nossa redenção”.



O bem das almas era o seu pensamento predominante. O zelo por elas devorava-o. Lançava mão de todos os meios ao seu alcance para as ajudar e salvá-las.



À oração e à penitência, as duas alavancas do apostolado, já vimos como ele se entregava. Em primeiro lugar tratava, junto de Deus, da conversão dos pecadores, persuadido de que nada podemos sem Jesus e ninguém vai a Jesus se o Pai o não atrair.



Quantas vezes não o ouviram, nas suas orações noturnas, entre lágrimas, gemer: “Senhor, tende compaixão deste povo! Que será dos pecadores?!”



Aos jovens religiosos dizia: “Se não podeis chorar os vossos pecados porque os não tendes, pensai no grande número de pecadores que podem ser preparados para receber a misericórdia divina. Por eles, os profetas e os apóstolos dirigiam ao Céu gemidos; por eles, também Jesus chorou amargamente”.



À oração juntava uma vida penitente, recordando-se das palavras da Carta aos Hebreus: “Sem efusão de sangue não há perdão” (9, 22). Desejava o bem de todos, tanto fiéis como infiéis, hereges, muçulmanos e judeus, e chorava até a perda dos condenados. Tinha por hábito, diz a Irmã Cecília, empregar o dia todo na conquista de almas, quer pregando com frequência, quer confessando, quer recorrendo a outras obras de caridade.



Pregava sempre que podia, chorando muitas vezes e comovendo os ouvintes: “Onde quer que se encontrasse – diz o Beato Jordão –, em viagem com os Irmãos, em casa com os hóspedes e os seus religiosos, entre os Grandes, os Príncipes ou os Bispos, tinhas sempre palavras de edificação, recorria a exemplos para os levar a amar a Deus e a desprezar o mundo”.



O seu zelo levou-o a fundar uma Ordem de Pregadores, o que, para aquele tempo, constituía uma inovação arrojada. Estava convencido de que, quanto mais numerosos fossem os operários, mais almas se salvariam. Por todos os meios, exortava os irmãos a anunciar a Palavra de Deus e pedia-lhes que fossem cheios de solicitude pela salvação das almas.



S. Domingos enviava em pregação até os menos dotados, dizendo-lhes: “Ide, que o Senhor estará convosco e porá na vossa boca a palavra da pregação”.



Um anseio ele nunca pôde realizar: ser missionário e derramar o seu sangue por Cristo.



Com razão representam S. Domingos com um cão ao seus lado, com um facho aceso na boca, tal qual sua mãe, a Beata Joana d’Aza, em sonhos, o vira sair do seu seio, porque iluminou o mundo com a sua doutrina e o abrasou com a sua caridade.



Se queremos ser filhos de S. Domingos, amemos as almas, sacrificando-nos por elas e esforçando-nos por salvar o maior número possível.





ORAÇÃO PARA DEPOIS DA LEITURA



Louvado seja o nosso Redentor, que, querendo salvar todos os homens, deu ao mundo S. Domingos de Gusmão.



V. Coração de Jesus, abrasado de amor por nós.



R. Abrasai o nosso coração de amor por Vós.



Oremos: Senhor Jesus Cristo, que dissestes: pedi e recebereis, procurai e achareis, batei e abrir-se-vos-á, nós Vos pedimos, pelos méritos do vosso fiel servo Domingos e de vossa Mãe Santíssima, protetora e advogada da Ordem, e pela bondade inesgotável do vosso Coração, nos concedais as graças que humildemente Vos pedimos nesta novena, para que, seguindo fielmente os vestígios do nosso glorioso Patriarca S. Domingos, possamos com ele louvar-Vos e glorificar-Vos por toda a eternidade.



R. Amém.





RESPONSÓRIO DO PATRIARCA S. DOMINGOS





R. Oh admirável esperança, que destes aos que na hora da vossa morte choravam a vossa ausência, prometendo-lhes que, depois dela, havíeis de ser-lhe mais útil! Cumpri, ó Pai, o que prometestes, ajudando-nos com os vossos rogos.



V. Vós que resplandecestes com tantos milagres nos corpos dos enfermos, trazei-nos o socorro de Cristo, curai-nos da perversidade e corrupção dos costumes.



R. Cumpri, ó Pai, o que prometestes, ajudando-nos com os vossos rogos.



V. Glória ao Pai e ao Filho e ao Espírito Santo.



R. Cumpri, ó Pai, o que prometestes, ajudando-nos com os vossos rogos.



V. Rogai por nós, Bem-aventurado Pai S. Domingos.



R. Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.



Oremos: Ó Deus, que Vos dignastes iluminar a santa Igreja com os merecimentos e a doutrina do Bem-aventurado Domingos, vosso confessor e nosso Patriarca, concedei-nos, por sua intercessão, a graça de sermos socorridos nas necessidades temporais e de crescermos sempre mais nos bens espirituais. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.



R. Amém.







Fonte: Novena a S. Domingos. Vários autores. 2. ed. actualizada. Editorial Apostolado do Rosário: Fátima (Portugal), 2006.